Grande SP registra 244 queimadas este mês

Bitucas de cigarro e balões são as principais causas dos incêndios

Com o tempo seco, os casos de queimada se espalham pela região Metropolitana. Este mês, foram registrados, pelo Corpo de Bombeiros, uma média de 244 casos desse tipo de ocorrência por dia.  Somente esta semana, os bombeiros receberam 1.220 chamados para combater focos de fogo em mata. O mais recente aconteceu na madrugada de segunda-feira, em Cotia. Uma fazenda onde será construído um condomínio residencial de alto padrão, na estrada do Pau Furado, em Cotia, pegou fogo. No entorno do local existem condomínios de luxo e bairros habitados na divisa com Itapevi. No entorno da fazenda existe também grande faixa de área preservada da Mata Atlântica.

Os Bombeiros não sabiam informar qual extensão havia sido atingida. Ninguém ficou ferido e não está descartada a possibilidade de incêndio criminoso. Outro caso grave foi registrado no Parque Estadual do Juquery, entre Franco da Rocha e Caieiras. A Secretaria Estadual do Meio Ambiente calcula que uma área equivalente a 140 campos de futebol foi destruída pelas chamas. Segundo os Bombeiros, embora as ocorrências tenham registrado de alta no tempo seco, a culpa pelas queimadas não é do calor, mas sim da imprudência humana. Dentre as principais causas estão bitucas de carros que são jogadas às margens das rodovias e também a prática de soltura de balões, que é proibida por lei.


Um destes casos de soltura de balões foi registrado em Alphaville. Aproveitando que estava sozinho na empresa onde trabalha – já que era a manhã de um domingo – um segurança resolveu soltar um balão. Mas foi detido em flagrante pela equipe ambiental da Guarda Civil Municipal. A ocorrência aconteceu em uma empresa na rua Aruanã. Os agentes receberam uma denúncia anônima de que um homem soltaria um balão de grande porte, e com fotos de artifício, no local. Ao ser flagrado, ainda com o balão no solo, ele contou que a segurança da empresa e que era comum soltar balões no local. A ocorrência foi registrada no distrito policial da cidade e o homem foi enquadrado no artigo 42 da Lei 9605/98, que proíbe fabricar, vender, transportar ou soltar balões.

FONTE – http://www.webdiario.com.br